Vivendo um “Faz de Conta”!


Aqui tudo é uma imitação barata e tornou o viver uma coisa artificial ou do outro.
Olha o fulano, a fulana, como são ricos, famosos, quantos gols, joias, bens, etc.
As pessoas gozam com a vida dos outros. Ridículos, todos seguindo o líder, os ídolos, e esquecendo de si mesmos.
São vidas inúteis, perdidas. “Esporte” é o que os outros fazem, música, arte, idem. Os jogos eletrônicos, os filmes cada vez mais distantes da realidade, tudo fantástico e impossível, tolo.
Muita e excessiva violência desnecessária, inútil, nauseante. O distanciamento da realidade parece ser um projeto malicioso.
A incapacitação, a agitação e a discussão vazia, a imaginação negativa, são todos paralisantes e impedimentos reais à viver pessoalmente.
Horas, dias, semanas, meses, décadas perdidas numa projeção danosa e frustrante.
A real dimensão de si se perde cada vez mais. Tudo se torna descartável e sem sentido – é um eterno esperar pelo novo, pelo melhor, pela solução mágica, sempre vinda de fora, pela ciência, pela política, pelos OUTROS!
A relação direta com a natureza, com as pessoas, consigo mesmo, foi substituída por sonhos, imaginação, por imitações, por máquinas, por química – não se vive e não se sente a vida.
A civilização, seus valores, costumes e promessas são farsas, são um monstruoso pesadelo.
Somente o retorno ao natural, ao real, pode dar sentido a essa vida vazia, a encontrar a vitalidade perdida, o espírito de aventura e a busca do desconhecido. Isso só pode ser pessoal, direto, por vontade própria, consciente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s