BECHAMP, a Origem e a Manutenção da Vida


A humanidade, foi hipnotizada pela doutrina médica apoiada na teoria dos gérmens de Pasteur. É compreensível, desde que, pela ignorância e preguiça as pessoas buscam explicações simples para problemas complexos, como fazem, por exemplo, na questão da origem do homem e a adoção das teorias mecanicistas e materialistas infantis da formação do universo, origem da vida e evolução.

A “ciencia” atual é pseudociência – melhor dizendo, é crença, religião. Nenhuma ideia nova fora da academia e dos laboratórios oficiais sobrevive – são atacadas pela mídia comprada e seus autores perseguidos e destruídos. Um esforço para ao menos manter a mente aberta para novas ideias é essencial. Vivemos em um mundo tão ou mais supersticioso e ilusório do que na assim chamada idade das trevas. O resultado de apoiar a vida nessas falsas ideias é a doença, a morte e a escravidão – não é um assunto que deve ser desprezado.
A falsa ideia da evolução darwiniana também fundamentou guerras, genocídio, dominação e escravidão – é a base da eugenia e da filosofia nazista. A mentira mata!
Nós não pegamos doenças. Nós as construímos”. Antoine Bechamp
Seres humanos, a potencialmente mais elevada forma de expressão de vida sobre esse planeta construiu uma vasta indústria farmacêutica para o propósito central de envenenar a menor forma de vida sobre o planeta – gérmens! Uma das maiores tragédias da civilização humana é a precedência de químicos sobre a nutrição”. Dr. Richard Murray.
Nós trabalhamos duro para construir as nossas doenças. Nós devemos trabalhar tão duro quanto, para restaurar a saúde.
A presença de gérmens não significa, necessariamente, a presença da doença. Bactérias são carniceiros (faxineiros) da Natureza… eles reduzem o tecido morto aos seus mais simples elementos. Germens ou bactérias não tem influência qualquer, sobre células vivas. Germens ou micróbios florescem como carniceiros (faxineiros) no local da doença. Eles residem exatamente sobre os restos metabólicos não processados, tecido malnutrido, fraco em primeiro lugar.
Eles não são a causa da doença, não mais do que moscas e vermes causariam a sujeira. Moscas, ratos e vermes não causam a sujeira, mas antes, se alimentam dela (são atraídos por ela).
A medicina ocidental se apoia sobre as doutrinas do químico francês, Pasteur (1822-1895). A doutrina principal de Pasteur é conhecida como a Teoria da Doença pelos Gérmens. Afirma que espécies morfologicamente fixas de micróbios e de fonte externa, invadem o corpo e que eles seriam a primeira causa da doença. É chamado de monomorfismo (uma única forma e função). Essa foi a origem da trilionária da indústria medico/farmacêutica.

A doutrina microbiana nasceu com Edward Jenner na técnica de vacinação com o pus de feridas da varíola da vaca que era injetada em seus infelizes pacientes. Daí a ideia da vacinação como é até hoje e dos antibióticos. Os antibióticos se iniciaram como o resíduo venenoso de um gérmen (fungo) usado na tentativa de matar outro. A penicilina é o veneno de um fungo. Isso criou cepas agressivas e resistentes de gérmens que nos ameaçam mortalmente hoje.
Com a criação de microscópios potentes e especializados na década de 30 do século XX ficou provado que os gérmens são o resultado da doença e não a sua causa. A atividade aumentada de sua ação causa sintomas, mas não são a origem da doença. O microscópio eletrônico só mostra coisas mortas e alteradas do mundo microscópico e, portanto, paralisadas e nada de sua ação. Todo o resto é deixado a imaginação dos cientistas que criam toda uma história, a farsa completa!
Os microscópios de luz polarizada foram capazes de mostrar a transformação de micróbios em várias espécies segundo o meio em que se encontram. Ou seja, eles são polimórficos e multifuncionais. Foram descobertas as microzimas, que são a base da vida de todos esses seres. Foram identificadas 10 famílias de micróbios que podem se transformar uns nos outros.
Não há, verdadeiramente, inimigos ou doenças específicas contra as quais lutar. Há somente consequências de equilíbrio ou desequilíbrio. O universo parece operar por manter os opostos em equilíbrio. Quando as coisas saem desse equilíbrio, sinais aparecem para manifesta-lo. A Saúde é o equilíbrio no sistema. Compare isso com uma casa que não é limpa por um ano. Nesse ambiente milhares de hóspedes (pragas) virão para se estabelecer nela. Assim também maus hábitos de vida levarão a sujeira e desequilíbrio com a consequente multiplicação de hóspedes indesejáveis.
As células organizam tecidos e órgãos no corpo humano. Os gérmens limpam o sistema humano e o liberam de acumulação de matéria patogênicos e mucoide.
Estamos constantemente respirando por volta de 14.000 gérmens e bactérias por hora. Por que não estamos mortos?
Nossos corpos são densamente populados com microrganismos, dentro e fora. O que nos habita não nos fere e é essencial para nós. Vivemos em uma relação simbiótica, mutuamente benéfica, necessária, com nossa população pessoal de bactérias. Pasteur afirmou no fim de sua vida “a presença no corpo de um agente patogênico não é necessariamente sinônimo com doença infecciosa.”
Não há doenças específicas, mas condições específicas de doenças!
As microzimas (enzimas microscópicas) são o início e o fim dos organismos. Elas são indestrutíveis! São matéria que não pode ser criada ou destruída e é o precursor de toda matéria viva organizada. A microzima é um fermento: um elemento vivo capaz de fermentar o açúcar.
Bechamp viu o processo da vida como uma quebra celular contínua por fermentação microzímica – ainda em corpos saudáveis. Quando a doença está presente, a quebra fermentativa não está somente acelerada mas é tomada por evoluções mórbidas, incluindo bactéria, fungos, fermentos, esses são a forma de desenvolvimento posterior da microzima, que se alimenta sobre substâncias vitais do corpo. Isto resulta em sintomas degenerativos de doença. De acordo com Bechamp, é possível que as enzimas criem, ou elas mesmas se tornem, microrganismos. É conhecido que enzimas tomam parte em reparar genes danificados – os elementos que definem e controlam nossa hereditariedade e função. Bechamp sugeriu que microzimas coagulam para se tornar material genético. Enzimas, então, são quase substâncias misteriosas e mágicas. Atrás de cada enzima está uma microzima. Em um sentido, o gene pode ser visto como uma ferramenta da microzima. O mecanismo para reparo podem ser que aquelas enzimas constroem ou se tornam proteínas reparadoras, que são então feitas em um gene. Há uma boa possibilidade que é isso que os vírus são – proteínas reparadoras, ou estruturas que fazem o gene reparar, não formas que causam sintomas. Muitos vírus são feitos do centro do material genético circulado por uma capa de proteína. O processo de reparação tem sido mal apresentado pela biociência como uma doença, e suas ferramentas, as proteínas reparadoras, tem sido chamadas vírus, particularmente, retrovírus.
As condições de doença enfraquecem nosso sistema enzimático de maneira que reparações “improprias” podem ser formadas. Desde que enzimas devem ter minerais para funcionar, ainda uma simples deficiência mineral pode estar envolvida na falha de reparar um gene.
Graham enfatizou que os instintos vitais se comportam como se dirigidos por inteligência.
Tilden, que fisiologia é psicologia organizada.
Isso significa que a vida é mais que um episódio fisio-químico.
Devemos dizer, então, que um organismo integrado funciona em virtude da Sabedoria incarnada em seus tecidos.
Qual a origem desta sabedoria e o que está ela em conexão?


Bechamp negou a geração espontânea , enquanto Pasteur continuou a acreditar nela. Mais tarde Pasteur negou a geração espontânea, mas foi incapaz de interpretar o resultado de seus próprios experimentos. Aqueles experimentos nunca foram capazes de contrapor os argumentos do ‘expontanerismo’ de Pouchet, o qual pode ser resolvido somente pela teoria microzímica de Bechamp. Pasteur nunca compreendeu, seja o processo de digestão nem o da fermentação, os quais foram completamente resolvidos por Bechamp. Por um imbróglio curioso (intencional?) ambas as descobertas foram atribuídas a Pasteur.
No lugar da célula, a microzima deve sua importância as pesquisas de Bechamp, revelada como unidade da vida. Porque as células são elas mesmas passageiras e são construídas pelas microzimas, as quais, fisiologicamente, são imperecíveis, como foi claramente demonstrado por ele.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s