Tempo e Matéria


Os elétrons, as partículas elementares, têm sua eternidade, a quinta/sexta dimensão, no nosso tempo. Portanto, o mistério de como os átomos, que pelos estudos da física são constituídos de muito mais espaço vazio do que os pequenos elementos sólidos que os constituem – prótons, elétrons e nêutrons e, portanto, não poderiam ser sólidos, nem possuírem nenhuma das características da matéria mas, que se manifestam para nós como sólidos, como “matéria”. A causa desse mistério é sua repetição na eternidade. O “tempo de vida” de um átomo é tão pequeno que não temos como conta-lo, nem podemos, no seu próprio tempo, toca-lo ou vê-lo. Entretanto, as coisas, a matéria constituída de átomos parece, para os nossos sentidos, como sólidos e com uma vida tão ou mais longa que nós mesmos.
‘No universo nada se cria, nada se perde, tudo se transforma’. Nessa ideia há uma conexão entre a questão das dimensões do tempo, a repetição e como aquilo que declaramos matéria, pode, em outro mundo ser uma outra coisa, inconcebível mentalmente e indetectável aos sentidos. A física moderna comprovou que matéria e energia seriam intercambiáveis.
Da mesma forma, a nível da Terra, nós aparecemos como um sólido, uma coisa fixa, sem movimento, semelhantes a uma pedra formada de átomos se repetindo na eternidade, como um sólido, um corpo constituído da soma de toda a nossa vida – um corpo se repetindo na eternidade. Assim, do ponto de vista do tempo da Terra, da sua percepção e vida, também somos vistos como um estranho corpo estático que é a “soma” de nossas repetições (vida e morte repetidas).
A questão da repetição está bem apoiada pelas teorias científicas da física relativista – de que o Tempo é curvo (circular).
Nada é o que parece ser e tudo se revela segundo o que e onde está no universo.
O mundo que vemos, ouvimos e tocamos e o tempo, tal como percebemos, são ilusões, aparências. A matéria, os objetos, o mundo não existem como os percebemos, são outra coisa num outro plano e, também o tempo, como contado e tomado, vindo do passado e se dirigindo para o futuro, com uma breve passagem pelo presente, não existe senão como uma distorção causada pela nossa limitação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s