Os Tipos Humanos e a Saúde


Desde a antiguidade a questão das diferenças entre os vários tipos humanos foi tratada como determinante no comportamento e na saúde.
A assim chamada medicina cientifica não só ignora como despreza que entre as pessoas existam diferenças que devem ser observadas para prever e tratar o povo. Todos são olhados como um corpo e uma fisiologia idêntica. Isso, sem dúvida é de um prejuízo considerável para a eficiência do socorro a saúde psíquica e física.
Aquilo que Jung trouxe sobre os tipos psicológicos, que a acupuntura diz sobre os tipos físicos, energéticos e psíquicos, a bioeletrônica demonstrou cientificamente através dos mais avançados meios que, sim, existem diferenças entre grupos de pessoas, os quais podemos chamar de tipos e que isso determina as predisposição para a saúde e a doença em suas relações com o ambiente em geral. Ou seja, isso não é filosofia ou misticismo, mas ciência.
Isso explica porque pessoas aparentemente com as mesmas condições de saúde, idade e sexo, por exemplo, são afetadas de forma diversa pelo clima, pelas condições cósmicas, pelo alimento e por influências psíquicas.
Se estendemos isso para o tratamento químico como é aplicado pela alopatia é possível prever o desastre causado por tratamentos idênticos para tipos diferentes e até opostos partindo dos mesmos sintomas, esses resultados de causas tambem diferentes. É comum que o que funciona bem para alguns, funciona muito mal para outros. A alopatia evita parte dos resultados contraditórios com o uso de concentrações tóxicas de suas drogas.
Esses tipos podem ser divididos grosseiramente entre condições internas com tendências oxidado/reduzido, condutor/não-condutor e ácido básico. De modo que há muitas combinações possíveis, por exemplo: seu sangue pode ser mais oxidado, não condutor e hipo-alcalino. Ou, oxidado, hipo-alcalino e condutor. E assim por diante. E isso deve ser combinado com outras tendências orgânicas, psíquicas e espirituais.
O significado e consequência disso é que o terapeuta deve estar instruído sobre essas condições estruturais e ensinar o seu cliente/aluno a observar e conhecer em si mesmo sua natureza particular e única.
A Lei é a mesma para todos, mas os vários tipos reagem com particularidades. A verdadeira ciência da saúde precisa para funcionar corretamente do trabalho do terapeuta, do cliente e de certas condições cósmicas que não podem ser mudadas a nosso nível.

O Caminho Essênio

“O Caminho Essênio é a peregrinação pelas estradas que conduzem a saúde, a felicidade, a eficiência, a auto-suficiência, a compreensão das leis da vida, a harmonia com o universo e consigo mesmo, a preservação, a reprodução da vida em todas as suas formas, a evolução da consciência, Sabedoria, Amor, sinceridade, veracidade, beleza, trabalho criativo, Paz, Vida Eterna, Poder, e todas as bênçãos do Pai Celestial e da Mãe, a Terra.

Entramos afobadamente no século XXI e não podemos evitar ver que em nossa era tumultuada, eventos importantes estão acontecendo em um ano, do que anteriormente aconteciam em um século.

Pode ser um erro muito grave não viver no Século XXI, mas pode ser um erro ainda maior viver somente no século XXI. O presente está construído organicamente sobre o passado. O homo sapiens do século XXI é somente um minúsculo ponto em comparação aos seus antecessores. Isto é, não somos o princípio e o fim. Ocupamos um pequeno intervalo dentro de nossa geração que em breve desaparecerá também, assim como ocorreu com os nossos ancestrais.

O homem contemporâneo está tentando desesperadamente encontrar verdades válidas no nosso caleidoscópio cultural, no qual tudo parece surgir e desaparecer, e dissolver-se em uma confusão caótica relativa. Podemos perguntar novamente, com Pilatos: “O que é Verdade?”

Ainda, há um caminho seguro para encontrá-la. Em cada momento quando hesitamos fazer uma escolha, quando não estamos certos, devemos perguntar a nós mesmos três coisas:  Primeira, está a verdade em harmonia com as leis básicas da Natureza? Segundo, está esta verdade em harmonia com a nossa intuição interior?  Terceiro, está a verdade em harmonia com os oito mil anos de sabedoria, ou legado dos grandes pensadores da humanidade? Se todas as vezes a resposta é afirmativa, se podemos responder sim a essas três questões, então podemos estar certos que está verdadeiramente correto, e estamos no caminho certo.

Nesta era precária na qual vivemos, defrontamo-nos com quatro aparentemente insuperáveis problemas. Nosso primeiro problema é como sobreviver nossa crise ecológica de poluição do ar, água, solo, e a destruição da vegetação de nosso planeta, cada dia mais e mais inundado com concreto, metais e plásticos. Nosso segundo problema é como sobreviver a impregnação de quimicalização de nossos alimentos desnaturados, a crescente avidez e insanidade feroz da indústria alimentícia, que agora utiliza 5.500 diferentes produtos químicos em 32.000 produtos alimentícios, contrabandeando mais de 500.000.000 de quilos de produtos químicos por ano em nossos alimentos. Nosso terceiro problema é no mundo espiritual. As igrejas oficiais com seus rígidos e dogmáticos códigos satisfaz cada vez menos as pessoas espiritualmente, e centenas de sistemas de meditação e de expansão de consciência estão brotando, passando do majestoso (os textos antigos originais) para o ridículo (os comentários modernos) num labirinto unilateral, sectário comercializado, criando uma imensa confusão entre milhares de mentes buscadoras e perplexas.

Finalmente, nosso quarto problema é o sexual. Náufrago remanescente da hipocrisia e do recato Vitoriano, combinado com os subprodutos opostos desintegrantes da decadência da imaturidade psicológica temerária, estão flutuando no oceano de uma aparentemente desesperançada cacofonia de vítimas promíscuas da ignorância.

As soluções para estes quatro problemas vitais e urgentes estão no viver Essênio, no Caminho Essênio Biogênico, em contraposição com a ignorância e o orgulho desmerecido de uma civilização que se afunda na própria ignorância e que, “o que faz com as mãos estraga com os pés”, girando num círculo perigoso de decadência sem se dar conta, claramente, que o seu caminho é uma ladeira por onde desce sem freios para o caos e a destruição.

A primeira solução refere-se ao Viver Biogênico para salvar nosso meio ambiente. Voltando-se para a criação de uma micro-ecologia. O que é quase impossível vivendo nas grandes cidades, submetido e compactuando com os costumes “civilizados”.

A segunda solução está na Nutrição Biogênica que declara nossa emancipação do Moloch da indústria alimentícia, ao produzir muito simplesmente nosso próprios brotos e germens tenros, e ao mesmo tempo simplificando a nossa alimentação adquirindo somente os alimentos básicos e simples, frescos e sem aditivos químicos, preparados por nós mesmos.

A terceira solução está na Meditação Biogênica Ultrapassando as centenas de métodos de medição com hipóteses irreais, que resultam somente em libertação temporária do estresse e tensão, ao conectar-se em um caminho real e tátil com um poder autêntico e tremendo de corrente biogênica vital, geradora de vida e primordial. Ao praticar a Meditação Biogênica somente 20 minutos ao dia por duas vezes (mais corretamente chamada Comunhão Dinâmica) os efeitos cumulativos o preencherão com poder cosmo vital regenerador, inexaurível e definitivo, por vinte e quatro horas ao dia. E ainda ao contato com a Sabedoria e o Amor dos ensinamentos filosóficos e capazes de conectar-nos com o cosmos de Yaohushua ha Mashiakh – Jesus, o Cristo.

O quarto problema, a sexualidade, exige um super empenho tanto em instrução como em correção da alteração funcional e psíquica. A intoxicação e as alterações da saúde atingem com violência a sexualidade pervertendo suas manifestações e sensações. Somado a isso, há toda uma doutrinação ideológica e alteração do comportamento sexual levando ao abuso ou a repressão. Sem uma saúde perfeita e uma alimentação adequada não se pode nem começar a falar em trazer a sexualidade para seus reais níveis naturais e saudáveis. A sexualidade hoje não é, certamente, como deveria, um instrumento de evolução pessoal, mas um tremendo obstáculo. Não há nada e simples para corrigir essa importante função – e ela precisa ser corrigida se o homem quiser ter alguma chance de sair da barbárie, física, psíquica e espiritual.   

Porém, para chegar a verdade e ser ajudado por ela são necessários alguns cuidados como por exemplo evitar aqueles pseudo idealistas que: 1) procuram por dinheiro, 2) invadem a sua privacidade e 3) dizem a você que estão de posse da única e exclusiva verdade e que tudo o mais está errado. Se você comete o erro de se juntar a um ensinamento sectário, jamais buscará qualquer coisa, sua evolução individual terminará e descobrirá que construiu um impenetrável muro de pedra entre você e a vida universal – em resumo, você terá cometido suicídio intelectual.

Talvez a mais importante e mais preciosa aquisição é ser capaz de viver alegremente na insegurança do mundo.”

Texto adaptado do original do Prof. Dr. Edmond Bordeaux Szekely

O Evangelho da Saúde

Nada substitui ler um original que foi escondido por milênios e que é a base do verdadeiro cristianismo.

O Evangelho da Saúde, disponível no Amazon Kindle contém o ensinamento fundamental sobre como se curar e manter uma condição de saúde perfeita.

As instruções, práticas e filosofia desse texto correspondem aos pré-requisitos para aqueles que pretendiam seguir Jesus.

Hoje, todas as novidades da dietética, da ciência holística da saúde passam pelas doutrinas ensinadas no Evangelho Essênio da Paz. Dele surgiu a Biogenia após 40 anos de experimentação no Novo México pelo Dr. Edmond Bordeaux Szekely, o descobridor do pergaminho na Biblioteca do Vaticano em 1924.

Vale a pena conhecer

O Evangelho da Saúde

As Comunhões Essênias



O Mestre Yaohushua (Jesus) ensinou as Comunhões Essênias como meio de se conectar com as forças e poderes vivos e inteligentes que Deus nos colocou à disposição para a final e desejada União com Ele.
Não se pode chegar ao Criador em detrimento de seus poderes, de seus Anjos.
O Homem pertence a um mundo onde está sob um número elevado de leis que torna a vida difícil, complicada. Há mundos acima da Terra (e também abaixo), onde há menos leis e, assim, mais liberdade.
A essência da doutrina e ensinamento do Mestre põe ênfase na questão da preparação necessária para ser capaz de compreender e aplicar as ideias e leis esotéricas a si mesmo. Os postulantes passavam por uma longa preparação antes de serem admitidos nos círculos interiores e lhes serem confiados os ensinamentos essenciais, que necessitam de toda uma condição interior adequada.
Aqueles que primeiro abraçaram a doutrina do Mestre foram seus próximos, o Essênios, os quais já chegaram preparados pelos ensinamentos esotéricos mosaicos. Somente os Essênios, ou aqueles em condições internas físicas e psíquicas requeridas, foram por Moisés escolhidos para receberem o ensinamento mais elevado. Essa Irmandade foi aquela que, séculos depois, deu origem física ao Mestre.
A base da crença Essênia se remota a Enoch, o primeiro que estabeleceu a ponte entre o Homem e os Anjos – as forças e poderes que o Criador nos deu com o mundo sutil.
Jesus, o Essênio, não somente manteve a doutrina que nasceu com Enoch e foi reafirmada por Moisés, como a estabeleceu como o fundamento de todo o seu sistema – são elas as Comunhões!
Nas palavras do Mestre, no segundo livro do Evangelho Essênio da Paz sobre as Comunhões:
Assim como o filho herda a terra de seu pai, assim herdamos nós uma Terra Santa de nossos Pais. Essa terra não é um campo que se deva arar, mas um lugar dentro de nós onde podemos construir nosso Templo Sagrado. E como um templo precisa ser erguido, pedra por pedra, eu vos darei as pedras para a construção do Templo Sagrado; o que herdamos de nossos Pais, e dos Pais dos seus Pais.”
“O Templo Sagrado só pode ser construído com as antigas Comunhões, as que são faladas, as que são pensadas, e as que são vividas. Pois se elas forem ditas apenas com a boca, serão como uma colmeia morta que as abelhas abandonaram, que já não dá mais mel. As Comunhões são a ponte entre o homem e os anjos, e, como uma ponte, só podem ser construídas com paciência, sim, como a ponte por cima do rio é formada pedra por pedra, a medida que vão sendo encontradas à beira d’água.”

Os Grãos como Alimento


Entre todos os alimentos disponíveis os cereais e leguminosas fornecem nutrientes concentrados e são, indiscutivelmente, responsáveis pela sobrevivência dos quase 8 bilhões de pessoas e dos muitos bilhões de animais também.
Entretanto, nem tudo o que pode ser digerido e, parcialmente assimilado, é o melhor alimento ou, sequer, apropriado.
Muitos têm, como principal elemento de sua alimentação diária trigo, arroz, aveia, feijão, soja, entre outros. Certamente, são os alimentos mais baratos e que fornecem a mais nutrientes por menores quantidades.
Há, por outro lado, alguns problemas com esses produtos alimentícios. Todos os grãos não podem ser ingeridos crus e contém quantidades importantes de anti-nutrientes e toxinas, mesmo após cozidos. Além disso, são trabalhosos para serem digeridos – ou seja, o organismo gasta muita energia e tempo para poder aproveita-los.
Há mais de dois milênios uma irmandade chamada de Essênios, demonstrou como viver mais e melhor preparando os grãos pela germinação e fermentação.
Um grão germinado vale, nutritivamente, por cinco grãos não germinados. Além de facilitar a digestão, assimilação, construção dos tecidos e não ser tóxico.
Um dos aspectos mais insidiosos e mortais da desnutrição se refere ao comer em excesso. Quanto maior o desequilíbrio interno e carências de elementos básicos, maior a fome! A maioria dos obesos estão desnutridos e susceptíveis a enfermidades. Alimentos com grandes concentrações de amidos e proteínas “roubam” nutrientes do organismo e contribuem para a desnutrição – esse é o caso dos grãos.
Então, devemos evitar os grãos? A proporção deles na nutrição com outros alimentos que promovem o equilíbrio é importante. A preparação dos grãos pela germinação/fermentação os transforma em alimentos comestíveis e palatáveis crus ou cozidos.
O futuro da humanidade depende da germinação como meio de fornecer alimentos mais nutritivos e saudáveis.

Auto-evolução


O Homem é um experimento em auto-evolução em um planeta insignificante na periferia do universo e onde há muitas restrições e dificuldades.


Que evolução seria essa? É claro que essa evolução sendo pessoal e voluntária, nada tem a ver com a suposta e quimérica “evolução” darwiniana, que é, em seus princípios, inconsciente, automática, casual, sem direção, imerecida, geral e do inferior para o superior.


A auto-evolução consciente, com o auxílio do superior, precisa de uma base adequada e estável e não pode ser, portanto, no corpo, na matéria, no visível, mas no psiquismo.


O Homem é um experimento! Portanto, esse experimento pode falhar como um todo e falha, frequentemente, pessoalmente.
As condições necessárias para esse crescimento interior, invisível podem ser destruídas tanto no equipamento (o corpo) como no ambiente.


A base para essa evolução está no corpo e no planeta, o que é necessário, mas jamais suficiente. O círculo consciente da humanidade, grupos de homens evoluídos, semeiam as instruções para que nós que possamos reconhecer esse conhecimento, estudar e aplica-lo a nós mesmos. Nada disso pode ser imposto, apresentado como uma armadilha, fazendo uso de sedução – como é comum em falsos caminhos.
Se os homens dispusessem de corpos em níveis diferentes de capacidade estaríamos diante de uma enorme injustiça. A base deve ser igual para que o progresso tenha mérito e seja resultado de um esforço pessoal consciente e voluntário.
As dificuldades naturais e normais são necessárias à evolução. Mas há condições que são impeditivas e essas devem ser reconhecidas e evitadas.
Nenhum “paraíso” terrestre ajuda na auto-evolução interior. Todas as tentativas nesse sentido são desastrosas porque ignoram o que é o ser humano e qual sua meta.
Espera-se, então, que cada ser humano adulto proporcione a si mesmo as condições de saúde e equilíbrio necessárias como estrutura sobre a qual construir o Novo Homem, quiçá um novo corpo mais sutil, nascido dentro do corpo orgânico.
Ao permitir, esperar e se submeter a uma ordem externa social, política e tecnológica que faça por ele o que é responsabilidade pessoal e intransferível, certamente o condenará a prisão e a escravidão, porque esses que assim procedem, interferindo na vida pessoal, pretendem dominar e usar as pessoas ou são apenas loucos que desejam impor ao outros seus sonhos insanos.

Os defeitos não estão no Homem, mas no viver contra as leis naturais

O Organismo Humano não pode ser Melhorado


O sonho de Frankenstein (prevalente na assim chamada ciência), de produzir vida, de melhorar o Homem, de vencer a morte é, efetivamente, insano – uma tendência assustadora, nazi-fascista, ditatorial que atropela a suave, sutil e divina natureza humana.
O planeta já assistiu fracassos dolorosos de outras espécies inteligentes e o Homem, igualmente, se dirige para um final catastrófico, deprimente e violento.
O motivo está na profunda estupidez, ignorância e vaidade de imaginar que a criação possa ser corrigida, melhorada pelo gênio humano.
A medicina, entre outras ciências da saúde, não se interessa por compreender a natureza humana, as leis que regem a vida e a saúde, mas em intervir, brutalmente nas disfunções da saúde, suprimindo essas manifestações com drogas venenosas, antifisiológicas sobre as quais quase nada sabe de suas relações com o organismo. Deve-se ressaltar que o que esse método faz é suprimir e/ou atenuar os sintomas, mas jamais curar – porque o foco não é a causa, mas apenas nos efeitos – trabalha com propaganda bombástica.
O resultado dessa abordagem é enganador, inútil e danoso não só em suas consequências mais visíveis, mas na perturbação e destruição das mais elevadas funções psíquicas e espirituais humanas.
A desumanização do Homem por essa conduta pseudocientífica já tem resultados inegáveis, extremamente negativos.
As pessoas, em sua ignorância e negligência atentam contra a sua vida e saúde e depois vão ao consultório em busca de um sucedâneo para seus erros. O problema é que acreditam que o processo de paliação com drogas e procedimentos podem salvá-los de seus pecados contra a vida. Somente voltar sobre os próprios passos poderá, eventualmente, devolver a saúde perdida. Os abacadrabas são não somente enganadores, mas sempre destrutivos, tóxicos e provocam alterações fisiológicas, funcionais, lesões, alterando tão radicalmente o funcionamento que logo é impossível o retorno ao normal e natural.
Antes de tentar eliminar sintomas é muito mais correto evitar os erros que os provocam.

O Homem – a Casa de Três Pavimentos


O Homem foi concebido como um organismo capaz de receber e transformar energias em três fábricas que se localizam na cabeça, peito e ventre.
Essas máquinas bio/psico/químicas transformam energias/matérias grosseiras em energias/matérias sutis. São capazes de alquimicamente transformar “metais brutos” em “ouro”.
Alguns desses processos ocorrem automaticamente, e são capazes de manter um Homem vivo e em condições de realizar tarefas úteis e “coerentes”. Essa é a condição da grande maioria das pessoas no planeta.
O “combustível” para alimentar essa fantástica máquina são os alimentos físicos e ar. Eles são combinados e transformados em energias capazes de fazer um homem pensar, sentir e se mover.
Há mais uma dessas energias-combustível que é recebida pelo cérebro e que chamamos de impressões.
Sem o alimento físico pode-se viver semanas; sem o ar uns poucos minutos e; sem as impressões a morte é imediata.
Acontece que essas impressões “não digeridas” são apenas suficientes para manter o corpo vivo em movimento. Nada original é criado, tudo são cópias no mundo psíquico das pessoas.
É evidente para um observador mediano que a capacidade psíquica decai rapidamente nas pessoas que não trabalham sobre si – aprendizagem, memória, concentração, criação, etc. Ou seja, a deterioração, a paralização do pensar e do sentir é inegável e progressivo.
Isso acontece porque há mau uso ou uso nenhum desses equipamentos super-sofisticados (os centros, ou mentes intelectual, emocional e instintivo-motor).
Todas as possibilidades reais de evolução do Homem começam com uma transformação do pensamento e um despertar sobre a sua condição limitada intelectual, emocional e instintiva-motora-sexual que envelhece e termina a vida, ainda antes de morrer.
Não há nada gratuito nesse mundo e tudo deve ser obtido a um alto custo. É preciso sacrificar algumas coisas para poder vislumbrar um outro mundo, que se torna possível com a obtenção de um corpo mais sutil do que o corpo físico.
As conquistas pessoais e sociais são verdadeiramente medíocres e frustrantes. Porém, a degeneração do pensar e emoções logo fazem o Homem esquecer de si e daquilo que buscou no início de sua vida – ele se satisfaz com um punhado de quinquilharias.
As influências originadas na vida são incapazes de energizar a mente a ponto de desperta-la. Ideias com poder de transformar, quando recebidas e procuradas, são semeadas pelo círculo interior da humanidade. Eles se constituem em um grupo de pessoas que conquistaram a vontade e a consciência e que estão preparadas para resgatar da massa alguns homens que se interessam por evoluir e sair da prisão virtual. Eles são muito superiores as pessoas adormecidas e prisioneiras da natureza.
O “natural”, o viver comum, é necessário, mas jamais suficiente para se erguer acima do convencional.
Conhecer-se a si mesmo é conhecer a estrutura da máquina humana e a condição real e pessoal. Não há outro caminho para a emancipação/evolução. Todas as assim chamadas religiões e movimentos esotéricos verdadeiros falam e ensinam sobre o Homem. A cura, a libertação e salvação são a aplicação desse conhecimento a si mesmo.

As Escrituras não são livros científicos!


Esses documentos tratam do Homem e suas possibilidades e não da Terra, da criação do universo e outras coisas tolas e irrelevantes. Eles são livros esotéricos!
Quando se lê que em Gênesis “E no principio criou Deus o céu e a terra” se refere ao Homem, se refere ao Homem e ao que pode se tornar, que foi criado com a possibilidade de evoluir e chegar a um nível superior de desenvolvimento. A terra se refere a base, ao nível inferior e o céu ao nível superior. O Homem contém nele o potencial para esse salto do inferior ao superior.
Também, em outra escritura mais original, que se manteve próxima a tradição esotérica lemos: “sem principio a Lei cria vida e pensamento”. Corroborando a ideia que o Gênesis e toda a Escritura simbólica e parabólica se refere ao Homem e, mais particularmente, ao homem interior, a sua psiquê, a compreensão e pouco ou nada tem a ver com valores morais e/ou coisas materiais, ou sobre o “pecado” e “inferno” no sentido decaído que chegou a ter hoje.
É claro que um homem tem de desenvolver pensamentos, emoções e habilidades que o capacitem a viver (constituir uma personalidade – contra a qual terá que lutar) antes de atingir um nível superior nele mesmo através de um caminho interior. E esses são representados na Escritura como vegetação, animais e sua reprodução, como simbolismos de coisas interiores e fases de desenvolvimento possíveis.
Então, logo mais a frente no Gênesis, o Homem chega a ser criado a imagem de Deus. Claro que o Homem não é simplesmente o seu corpo físico, sua força, seus instintos – ele é, desde o ponto de vista esotérico, a sua compreensão. E esses homens, a imagem de Deus, são escassos. O homem a imagem de Deus é uma possibilidade, assim como chegar a ser um ser vivente pelo sopro de Deus. A humanidade está ao nível terra, mas pode chegar ao nível céu.
Todo o esoterismo trata em vencer a violência e de acrescentar a Consciência e a Vontade primeiro em si mesmo e depois nos outros.
A não ser que um homem seja instruído através de um ensinamento superior, que não se encontra na vida, mas unicamente num caminho esotérico, não poderá sequer entender o nível mais rudimentar das escrituras.
Tentar trazer as escrituras para coisas físicas, para a política, para movimentos sociais, como meio de obter bens materiais, para doutrinas científicas, que eventualmente se oporiam a ciência, é destruir seu significado maior, esotérico – que é interior e se refere ao Homem como ser capaz de uma evolução específica espiritual.

O Homem como Experimento

A assim chamada cultura, tradição, política e ciência atuais não fornecem as ideias necessárias para a evolução humana, mas são, miseravelmente, fatores que contribuem para sua degeneração.
Não há nada semelhante nessa civilização que apresente o Homem como um experimento que, como tal, pode ser exitoso ou falhar.
Essa ideia é uma ideia que se origina na humanidade consciente, muito acima e invisível aos sentidos físicos. A não ser que algumas pessoas evoluam e renasçam como um Novo Homem e se tornem aquilo para o que vieram, toda a humanidade perecerá.
Certamente, o experimento do qual fazemos parte nesse momento, não foi o primeiro – não devemos imaginar e ficar orgulhosos que somos os primeiros e os únicos! Houve muitos outros experimentos antes que falharam e há razões para que se acredite que caminhamos para o fracasso, que tal como o experimento que nos precedeu e do qual temos rastros através de lendas e relatos, as formigas e os cupins, já estiveram nas mesmas condições que as nossas hoje.
Esses seres, hoje insignificantes, porém antes inteligentes e poderosos, foram reduzidos pela Natureza, ao que vemos agora.
O experimento anterior ao nosso, que falhou em seus objetivos principais, se deve ao controle político (socialismo radical), químico, sexual, para produzir uma sociedade perfeita, impiedosa, onde não hávia nenhum espaço para o indivíduo e o pensamento genuíno. Essas espécies tiveram, é verdade, sucesso relativo naquilo que planejaram e conseguiram se tornaram inúteis como indivíduos que poderiam, por outro lado, auto-evoluir.
Essa geração caminha velozmente para o mesmo destino. Em tudo a atual civilização “humana” imita as formigas e os cupins.
Ao ser questionado quais são as melhores condições de vida, o Sr Ouspensky disse que essas melhores condições se realizavam onde o ensinamento esotérico estava ao alcance do povo.
E continuou dizendo, “o ensinamento esotérico se fundamenta na ideia de que o Homem pode sofrer uma mudança que já é possível para ele e que, por assim dizer, lhe está destinada. O Homem é um organismo muito mais complexo do que é necessário para viver nesse mundo. Tem muito mais nele do que é necessário para a vida ordinária. Pode converter -se em indivíduo, o que é o verdadeiro objetivo da sua existência. Porém, a esse respeito, é um experimento do Laboratório Solar e pode resultar num fracasso. É preciso que todos compreendam o que significa que o Homem tenha sido feito como um organismo capaz de auto-evolução. Não quer dizer, por exemplo, que o Homem já está pronto, senão que tem de encontrar-se a si mesmo, encontrar em si o caminho que deve seguir, é por essa razão o ensinamento (esotérico) é sempre semeado no mundo e colocado de várias maneiras e em formas exteriores a fim de mostrar-lhe o que tem se fazer para recriar-se a si mesmo, para evoluir até chegar a ser o que deve ser”.
É urgente que se atente para as tendências atuais de uniformização de pensamento, do uso generalizado e obrigatório de drogas e vacinas, de políticas coletivas e hegemônicas, do controle do pensamento e a restrição de todas as ideias que são libertadoras e construtoras de significados interiores. A tecnologia avança enquanto o Homem retrocede e se apequena.